dona  onete

Há quem diga que ela começou a cantar ainda menina para os botos, em Cachoeira do Arari (ilha do Marajó-PA).  Ionete da Silva Gama foi Secretária de Cultura do Município de Igarapé-Miri e se aposentou como professora de história de estudos amazônicos. Militou na política, se casou e separou. Casou novamente e ficou viúva. Teve filhos, netos e bisnetos. Pra lá dos 60 e tantos anos foi descoberta pela grupo Coletivo Rádio Cipó no bairro da Pedreira em Belém. A música que até então havia sido trilha sonora da sua vida, passou a ser protagonista. Dona Onete gravou seu primeiro disco em 2012,  aos 72 anos. Hoje aos 77 está no auge da sua carreira, colhendo os frutos de Banzeiro, seu mais novo álbum, repleto de boleros, carimbós e bangüês. Turnê por todo Brasil, shows nos EUA e na Europa, música em novela da Globo.  Ninguém segura está senhora.